A molecagem

Humor cearense: das ruas à internet

Gilmar de Carvalho

"Empalhamos o Bode Ioiô; vaiamos o sol na Praça do Ferreira, em 1942; ridicularizamos as moças que namoravam os norte-americanos que serviam na Base do Cocorote, levávamos o humor para os blocos de sujos e fazíamos um carnaval que tinha a ver com nossa visão de mundo"

O humor cearense brota das ruas, das relações pessoais, nem sempre marcadas pela gentileza e pelo respeito, e se formata de acordo com os padrões do espetáculo.

Trata-se de uma história longa, cujas raízes podem ser encontradas nas esquetes dos circos, nas pantomimas dos folguedos, nos improvisos do coco, no maneiro-pau, nos motes das cantorias, nos relatos do cordel, nos testamentos do Judas.

A Padaria Espiritual (1892/1896) pode ter sido o instante onde a vaia e outras manifestações que envolviam o humor espontâneo ganharam regras. Era proibido dizer palavras estrangeiras. Não que isso fosse engraçado, era transgressor. O chamado humor cearense ganhava forma a partir de um grêmio de rapazes amantes das letras e das artes.

Antes, tudo acontecia nas ruas de uma Fortaleza ainda menor e mais provinciana. Era a "vaia do dedo" à qual se referia Rodolpho Teóphilo, onde se colocava uma pessoa sobre um banco de praça para lhe aplicar solenes dedadas...

Os excêntricos eram assediados pelo povo, ganhavam apelidos desrespeitosos ou incômodos, na melhor das hipóteses. Não havia cordialidade. Tudo se tornava manifestação da multidão, do coletivo, amenizando as culpas pessoais.

Carlos Câmara vai adequar essas situações, com muita criatividade e irreverência, aos cânones da representação teatral, numa cena até então marcada pelo sotaque português, pela importação das tramas, e por um teatro como lugar de exibição das roupas, joias, leques e "pince-nez", índices de uma civilização que pretendíamos adotar.

Carlos Câmara, num jogo de mestre, coloca no palco a nossa mesquinharia. Riríamos de nós mesmos, da Peraldiana, das astúcias, da "matutice" que nos perseguia e não queríamos aceitar. Éramos feios, pouco afeitos às etiquetas, e grossos.
Gilmar de Carvalho é jornalista e pesquisador, leva a vida advogando em favor da cultura popular, pelos sertões e além. É autor de ficção e peças teatrais; nos escritos, estão suas crenças e desconfianças, sua elegância e sinceridade. Foto: Sara Maia
Ramos Cotôco nos fazia rir ao cantar, com o deboche do lazer nas avenidas do Passeio Público, e o desmascaramento de situações de hipocrisia e de falso verniz social, envolvendo jogo do bicho, maquilagens, falsidades, mazelas que antes foram denunciadas nas páginas de A Normalista, do Adolfo Caminha, e nos jornais satíricos, dentre os quais se destacava O Garoto (1907), de Gustavo Barroso.

A ideia de que o humor precisava de uma "embalagem" para ser consumido e de que estas normas serviriam como propostas para quem viesse depois, vingou.

Empalhamos o Bode Ioiô, que passou a integrar o acervo do Museu do Ceará; vaiamos o sol na Praça do Ferreira, em 1942; ridicularizamos as moças que namoravam os norte-americanos que serviam na Base do Cocorote, levávamos o humor para os blocos de sujos e fazíamos um carnaval que tinha a ver com nossa visão de mundo.

O rádio trouxe a valorização do tempo. O humor vicejava nos programas de auditório e nas esquetes. A televisão consolidou estes talentos e revelou outros, como Renato Aragão, com seu Vídeo Alegre, e contamos com um casal inesquecível, o Praxedinho e Anicetinha, vividos por Marcus Miranda e Maria Luiza Moreira, na mesma TV Ceará.

Pode-se pensar em todo este contexto, numa visão diacrônica, como preparação para a emergência de um humor cearense, que passou a se afirmar a partir da segunda metade dos anos 1980, com os shows do Falcão nas calouradas da UFC e a venda de seus CDs piratas nas ruas da cidade.

Era a ponta de um iceberg que envolvia Meirinha, Rossicleia, Skolástica, Zé Modesto, Raimundinha (Paulo Diógenes), Ciro Santos, Espanta, Lailtinho, e tantos outros, e vai nos levar aos espetáculos nas churrascarias e pizzarias, com referenciais histriônicos, muito improviso, exagero, apelo fácil ao chamado "baixo corporal", e uma interatividade que vem do teatro de revistas.

Nunca mais fomos os mesmos. Tom Cavalcante migrou para o Sudeste. Esse novo humor viceja e lança produtos como livros, bordões, lança personagens que são incorporados pela publicidade de varejo, e estabelecem uma comunicação rápida e sem necessidade de grandes decodificações com um público mais amplo.
Praça do Ferreira, palco do nosso escárnio. Foto: Evilázio Bezerra
Esses humoristas incorporam a voz das ruas, um jeito de falar e de ver o mundo que é da maioria dos cearenses. Eles não têm pudor do escracho, nem da representação afetada, com excesso de cores, adereços e criação de personagens que não se desgrudam dos intérpretes que os representam.

Falcão é um ótimo exemplo. Difícil imaginar o arquiteto Marcondes sem a roupa colorida, os cordões de metal, o girassol preso ao velho paletó de juta do Ramos Cotôco. A vida para os dois foi e é "uma paçoca". Mais surpreendente ainda é ver Rossicleia de cara lavada. Tive esta experiência quando da defesa de monografia da Flávia Marreiro, no Curso de Jornalismo da UFC. Ela foi e pediu para falar.

Brincou e "confundiu" o russo Bakhtin, que teorizou sobre o riso com o antibiótico Bactrim, indicado para dores da garganta. Quem fez a festa foi ela e não sua persona pública.

Esse mercado tem se mostrado promissor e instigado o lançamento de nomes. Não se pode falar em crise de público, ainda que prevaleça a lógica da Indústria Cultural. Bom que deixemos de ser tão rigorosos com quem se propõe a fazer rir.

Como esse humor vai se adaptar às novas mídias e tecnologias? Difícil responder. Vai depender da velocidade com que um maior número de pessoas se conecte e tenha uma banda larga de verdade. As redes sociais são exemplos de sucesso. Aplicativos como Whatsapp e Instagram possibilitam contatos impensáveis até certo tempo. O sucesso dos vídeos do Youtube surpreende pelo volume e pela recepção. Estamos apenas no começo de uma era que se antecipa veloz, democrática (pela possibilidade de acesso a muitos) e interativa.

Como será a ocupação da Internet pelo humor? Teremos uma transição complicada. O humor cearense se sustenta no presencial, no riso debochado, na provocação. Como compatibilizar esse calor com o cerebral das máquinas? Como tornar mais "cabeça" uma piada mais escrachada? Não dá para antecipar respostas. Sem dúvidas, como aconteceu com os circos, o teatro, a tevê, e as pizzarias, os humoristas se sustentarão nas novas mídias, testando formatos e fazendo com que o riso sempre ecloda.

expediente

desenvolvimento

Coordenadora de Projetos Digitais: MIÚCHA PINHEIRO

Webdesigner: TICIANA MELO

Webdesigner Comercial: ITALO RUSSAN

Frontend: MARCELLUS FROTA

Programador: UBERGUE ANDRADE

Infraestrutura: RHAJIV PERSIVO

O POVO ONLINE - REDAÇÃO

Editora Executiva: JULIANA MATOS BRITO

Editores-adjunto: PAULA LIMA e THADEU BRAGA

REDAÇÃO

Diretor Geral de Jornalismo: ARLEN MEDINA NÉRI

Diretora-Executiva da Redação: ANA NADDAF

Diretor-Executivo Adjunto da Redação: ERICK GUIMARÃES

Concepção: ÉRICO FIRMO, FÁTIMA SUDÁRIO e REGINA RIBEIRO

Edição: ÉRICO FIRMO e FÁTIMA SUDÁRIO

Concepção gráfica: GIL DICELLI

Ilustração: PEDRO TURANO

Edição de Arte: GIL DICELLI E RENATA VIANA

Edição de Imagens: FCO FONTENELE e SARA MAIA

Tratamento de Imagens: ROBSON PIRES

WEBDOC

Direção, roteiro e entrevistas: ÉMERSON MARANHÃO

Fotografia: CHICO ALENCAR

Assistente de Produção: MARIANA FREIRE

Edição e Finalização: RENATO FERREIRA