[an error occurred while processing this directive][an error occurred while processing this directive] Personagem: O nascimento do Didi | O POVO
RENATO ARAGÃO

Personagem: O nascimento do Didi

fotos: divulgação
Tim, Tom e Tum - personagens de Américo Picanço, Mario Alimari Renato Aragão (de baixo para cima na foto)
Compartilhar

Deu em todos os jornais da época. Fortaleza receberá seu primeiro canal de televisão: TV Ceará - Canal 2, afiliada dos Diários Associados. O burburinho na cidade era grande, mas o que chamou a atenção do jovem estudante de Direito Renato Aragão foi um detalhe. As inscrições para o Curso de Preparação de Equipes de Televisão (CPET), ministrado para a escolha do primeiro elenco, estavam abertas. Talvez fosse a chance de ser comediante como o grande Oscarito, Chaplin... Mas não, não. Já era casado, tinha um bom emprego no Banco do Nordeste, quase doutor. Melhor deixar pra lá, calculou Renato, sem dividir as intenções com ninguém.

Foi graças à sugestão de um amigo de CPOR, companheiro das peripécias do ex-soldado, que ele acabou se inscrevendo. Como não tinha experiência em rádio - a dicção era um problema - e menos ainda em teatro, frequentou como ouvinte as aulas de Péricles Leal, enviado do Rio de Janeiro só para descobrir e preparar o primeiro elenco da TV. Neudson Braga conta que ele precisou pedir licença médica no BNB para comparecer às aulas. E ia escondido dos pais, revela a irmã Ivete. Em casa, ninguém sabia da empreitada.

Ele não tinha grandes pretensões. Ainda assim, fez a prova final sugerindo um programa de humorismo. Quando saiu o resultado, Péricles chamou Renato para receber sua prova. Tinha certeza de que seria reprovado, mas qual não foi a surpresa quando descobriu que teria de fazer a atração para a semana de inauguração. A TV Ceará foi ao ar dia 26 de novembro de 1960. Quatro dias depois, Renato estreava. Era autor e realizador do Comédia da cidade, programa que logo se transformou em Vídeo Alegre, como ficou conhecido e fez sucesso.
Apesar dos poucos aparelhos de televisão da cidade, já no terceiro programa Renato não conseguia andar na rua sem ser perseguido pelos meninos. “Olha o doidão, o doidão da televisão”, ele lembra. Frederico Fontenele, colunista de O POVO e vizinho de Renato à época, lembra bem das crianças correndo atrás do novo astro, até então um discreto chefe de família.

“Di-di”
Renato logo percebeu que precisava de uma dupla. Vez ou outra contracenava com Ary Sherlock, mas quando viu outro jovem ator teve certeza de que achara seu partner. “Um dia ele me procurou: Américo, vamos fazer uma dupla?”, conta Américo Picanço, o Fridirico, como Renato chamava sua primeira dupla: Didi e Frederico. Apesar da importância do personagem que se tornou o alter ego de Renato, ele conta que o nome surgiu no digitar da máquina de escrever. “Di-di”. Sonrisal Colesterol Novalgino Mufumbo, o sobrenome, só veio depois, de supetão, num programa ao vivo já no Rio de Janeiro.

“A gente sabia onde tinha televisão porque toda quarta-feira, na hora do Vídeo Alegre, ficava um aglomerado de gente nas portas. Onde tinha uma casa rica, abria a janela e ficava todo mundo escorado, vendo”, lembra o sobrinho de Renato, Afrânio Craveiro, 72, que fazia pontas no programa do tio. Ele ensaiava as marcações dos episódios no quintal da casa dos pais e acabava envolvendo sobrinhos e irmãos. O sucesso do programa foi tanto que, três anos depois, não era possível segurar o talento de Renato Aragão na TV Ceará. Era hora de conquistar o Rio de Janeiro.

Galeria de Fotos
Assista ao vídeo