Logo O POVO Online Logo O POVO Online
Capitulo 1

Excelência no produto e no investimento industrial

Por Hamlet Oliveira

Há 58 anos no mercado de moagem e venda de farinha de trigo, o Grande Moinho Cearense se destaca como uma das principais empresas do segmento no Brasil

Uma das bases da alimentação mundial, a farinha de trigo é matéria-prima para uma infinidade de produtos. Do pãozinho matinal às massas e doces de todo tipo, a história do alimento remonta a milênios atrás. No Ceará, o Grande Moinho Cearense (GMC), uma das principais empresas do segmento de moagem e venda de farinha de trigo no Brasil, atua para conquistar cada vez mais o mercado nacional.

Fundado em 1959, mas iniciando sua atuação somente em 1963, o GMC se moldou às mudanças no cenário externo da produção de farinha e adaptou os itens para alcançar um público cada vez mais amplo. Conforme Roberto Schneider, diretor-presidente da empresa, o Brasil possui demandas específicas que diferenciam os produtos fabricados aqui dos de semelhantes em outros países. Uma realidade comum no Brasil, comenta Roberto, são pessoas que já nasceram “dentro de uma padaria”, em negócios de família.

Então, como forma de facilitar a produção diária dos pães, as farinhas são elaboradas com um blend de trigos , que simplificam a produção de pães e diversos outros produtos. “Temos que fornecer farinhas de altíssima qualidade que facilitam a vida do padeiro.” Em comparação, na Argentina, explica, é comum que os profissionais trabalhem com farinhas sem aditivos, o que demanda maior investimento de tempo dos padeiros.

A principal marca da empresa é a farinha de trigo Dona Maria, com opções domésticas, Industriais, farinhas especiais e misturas para bolos. Além disso, são do Grande Moinho Cearense as marcas Carijê, Branquinha e Cearense. Outros subprodutos são os farelos de trigo Velídia e Catahu. Mas é a farinha de panificação de 50 kg que detém mais de 80% do consumo.

Na pandemia, o cenário se inverteu um pouco, porque, com as panificadoras fechadas, as pessoas passaram a fazer o pão em casa, segundo Roberto. “Houve neste período de pandemia um crescimento muito grande da farinha doméstica e uma queda da farinha de panificação. Isso foi uma mudança não no volume total, mas no tipo de farinha que a gente fabrica. Depois, voltou ao normal, a farinha doméstica deve representar aproximadamente 10% das farinhas totais.”

307 funcionários

218 terceirizados

Trigo

O Grande Moinho Cearense é umas das únicas empresas no Brasil que compra trigo canadense, o melhor do mundo e também de maior custo. Isso faz com que o rendimento da farinha seja maior. Um saco de 50 kg de farinha Dona Maria rende aproximadamente 1.230 pãezinhos, cerca de 3% a 5% acima da média de mercado, levando em consideração um pão de tamanho padrão – 50g.

Mercado

A empresa atua em todos os estados da região nordeste e norte, com exceção de Tocantins, e em parte do sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro), além de Goiás, no centro-oeste. “Não existe nenhum moinho no Brasil com raio de distribuição tão grande (4 mil
Km)”, afirma Roberto Schneider. A matéria-prima vem de países como Canadá, Estados Unidos, Argentina e Rússia. Essa variedade, explica Roberto, resulta em blends de trigo de diferentes origens.

Quem faz o GMC

Em 1992, foram adquiridos os primeiros moinhos automatizados da empresa, que aumentaram a produção de 280 para 500 toneladas/dia. Até então, o processo de moagem era realizado via acionamento manual.

O processo de modernização alterou funções como a do gerente de produção Christiano Lima, que na época era moleiro. “É uma empresa respeitosa, ela desenvolve as pessoas, seus talentos. Quando cheguei e foi comprado o projeto [do moinho automático], fiz treinamentos na Europa.”

Outro funcionário de longa data, Marcos Aurélio entrou na empresa há 25 anos, com experiência no setor industrial. Após realizar cursos e atuar em todas as áreas da indústria interna, chegou ao cargo atual, de gerente de manutenção. “Temos atenção da alta e média gestão. Isso, somado ao apoio e à autonomia sempre foi um fator motivacional importante”, compartilha o gerente.

Acompanhe a live com o Grande Moinho Cearense

Por O POVO

Live será ao vivo na quarta-feira, 26/5, às 18h, transmitida pelo YouTube do O POVO

Roberto Schneider

Engenheiro Químico e Bioquímico de formação, com Master em Economia e Marketing na Universidade Oxford GB – OMDG. Aproximadamente 30 anos de experiência na sua trajetória profissional como CEO. Trabalhou em grandes empresas nacionais e internacionais na área de farmacologia, higiene e limpeza e indústria de alimentos. Exerce há 16 anos o cargo de Presidente do Grande Moinho Cearense.

Carlos Augusto Neves

Engenheiro Eletricista e Moleiro de formação. É Mestre em Administração de empresas com especialização em Engenharia de Produção. Toda sua carreira profissional foi em indústrias da área do trigo. Exerce há 6 anos o cargo de Diretor Industrial do Grande Moinho Cearense.

Assista ao documentário sobre o Grande Moinho Cearense

Por O POVO

Grande Moinho Cearense se consolida como uma das maiores indústrias de moagem de trigo do País

O Grande Moinho Cearense atua no mercado de alimentos, especialmente na moagem de trigo, e tem como uma de suas principais marcas a Farinha de Trigo Dona Maria. Fundado em 1959, mas iniciando sua atuação somente em 1963, o GMC se moldou às mudanças no cenário externo da produção de farinha e adaptou os itens para alcançar um público cada vez mais amplo. Conheça mais da história do GMC no documentário especial do projeto A Força do Ceará.

Confira a live sobre a história do Grande Moinho Cearense

Por O POVO

A Força do Ceará. A partir de reportagens especiais, documentário e live, como esta, o público poderá saber mais sobre a história e a atuação de grandes empresas cearenses.

Vamos entrar no mercado de alimentos com o Grande Moinho Cearense, que atua especialmente na moagem de trigo, e tem como uma de suas principais marcas a Farinha de Trigo Dona Maria.

Para esta live, a jornalista Paula Lima recebe dois executivos da empresa: o presidente, Roberto Schneider, e o diretor industrial, Carlos Augusto Neves.

Apoio