A força despertou

Que a força esteja com você neste dia 4 de maio

Por Rubens Rodrigues

Atenção! Antes de iniciar a leitura, clique no player abaixo:

Méliès foi o primeiro homem a pisar na lua. Pelo menos no cinema. Pai dos efeitos especiais, ilusionista francês deu o passo fundamental para a arte que seria realizada no século XX com seu Viagem à Lua. Kubrick fez do espaço sideral seu local de passeio. Visionário, redefiniu o modo de levar ficção científica para as telonas. O norte-americano George Lucas, criador da saga Star Wars, transformou em negócio e, principalmente, objeto de culto.

Star Wars - Episódio IV: Uma Nova Esperança tornou-se rapidamente um forte ícone da cultura pop ainda na época do lançamento, em 1977. Quase 40 anos e sete filmes depois de Luke Skywalker sair na missão que mudou seu destino, a franquia ainda é uma das mais lucrativas da história do cinema. Último longa da série, Star Wars - Episódio VII: O Despertar da Força arrecadou mais de U$ 2 bilhões no mundo inteiro.

Motivo de celebração para a indústria, a Guerra nas Estrelas ganhou data especial para a comemoração dos fãs quando, em 2011, os apaixonados pela saga organizaram, no Canadá, o primeiro Dia de Star Wars, 4 de maio.

A partir da popularidade do jargão narrativo “may the force be with you” (que a força esteja com você, em tradução livre), o público se apropriou do termo para a criação do trocadilho “may the fourth be with you” (algo como ‘que o dia 4’ esteja com você). A brincadeira funciona melhor em inglês.

O dia deu tão certo que os fãs passaram a chamar o quinto dia de maio como “revenge of the Fifth”, em alusão ao Episódio III: A Vingança dos Sith.

 

O fenômeno

A coordenadora do curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Ceará (UFC), Cristiana Parente, tinha apenas 14 anos quando Uma Nova Esperança chegou aos cinemas. Na época, já tinha como hábito assistir a séries de TV futuristas como Túnel do Tempo e Perdidos no Espaço e se surpreendeu com o conteúdo cinematográfico.

“Cresci acompanhando a série no cinema. Acredito que o sucesso não era tanto por sua forma de representar o mundo futurista, mas o fato de trazer elementos importantes de uma narrativa que constituía a jornada da construção do herói com a Força", diz, lembrando que os elementos eram novidade no gênero. “Era um elemento instigante e nos motivava a imaginar o que esta Força poderia nos trazer ou nos fazer capazes de agir em um mundo cheio de diversidades culturais”.

Também professora de Fotografia e Montagem no curso de Cinema da UFC, Cristiana Parente lembra que a década de 1970 marcou o início do fenômeno dos blockbusters. A franquia ganhou brinquedos, jogos, livros e álbuns de figurinhas. "Star Wars reinaugurou o filme seriado no cinema. A mudança de comportamento do mercado cinematográfico aliando-se à outras áreas do mercado de entretenimento e da indústria cultural".

As novas gerações

A série transcende gerações. A trilogia original de Star Wars já era considerada clássica quando o empreendedor Guilherme Jales, de 24 anos, começou a desbravar os filmes antigos em uma das últimas locadoras que existiam no bairro onde mora. “Foi amor à primeira vista. Toda vez que revejo, remeto à época da adolescência e da descoberta desse e de outros filmes dos anos 70 e 80”, conta. “O Despertar da Força tem muitos elementos de nostalgia pra quem já conhece os primeiros filmes e apresenta personagens que atraem demais uma nova geração de fãs”.

Ainda criança, Marcos Vinithius Melo Filho, de 25 anos, assistiu à trilogia original em VHS. O desenvolvedor de softwares viu os filmes pela ordem cronológica e, diferentemente, de parte dos fãs, tem boas recordações dos episódios I, II e III. “George Lucas é um diretor experimental. Ele gosta de arriscar e foi isso que fez na segunda trilogia”, defende.

Para ele, retomar a narrativa do episódio VII foi uma “tacada de mestre”, já que a história segue o vazio deixado pelos filmes clássicos. “É um sentimento muito gostoso poder ver esses personagens novamente. Acertaram em cheio, tanto com a nova trilogia quanto com os spinoffs. Esses filmes vão preencher alguns buracos dentro da história e isso só tem a crescer”.

Vinithius lembra que existem galáxias inteiras a serem exploradas, já que, além dos filmes, existe um universo expandido retratado em séries de TV e uma série de livros inéditos que chegam às lojas desde o anúncio da venda da marca para a Disney. “A série Rebels tem fortes referências à trilogia antiga e algumas ligações com a nova. Segura os dois tipos de fãs”.

Em janeiro deste ano, Marcos Vinithius criou uma petição online para trazer a hexalogia para maratona no Cineteatro São Luiz. A campanha bateu a meta de 1.500 assinaturas e aguarda uma definição da curadoria do tradicional cinema fortalezense. Ao O POVO Online, o curador do equipamento Duarte Dias confirmou a possibilidade, com definição prevista para o fim deste semestre.

Representatividade

Nem só de atores brancos de olhos claros vivem os filmes do século XXI. Protagonizado por uma mulher e um homem negro, Daisy Ridley e John Boyega, respectivamente, O Despertar da Força é parte da fase de mudança da estrutura hollywoodiana. A escolha dos atores gerou polêmica entre os fãs.

Organizadora de encontro de fãs, a professora de inglês, Jany Caetano, de 32 anos, diz que a saga “atemporal” trouxe elementos pertinentes às temáticas debatidas pela sociedade. “A recusa de parte do público em ter um protagonista negro e uma mulher trouxe à tona discussões válidas como representatividade e emponderamento”, explica. Para ela, a cultura pop precisa ter papel social além de gerar consumo.

“Durante um bom tempo tudo era voltado para a classe masculina, branca e dentro dos padrões impostos pela sociedade. O Despertar da Força tem até mesmo um nome significativo, porque desde o anúncio trouxe essa pauta pra mesa”, continua. “Despertou a atenção do público para o grande elefante branco que tínhamos na sala e nunca percebíamos”.

Vídeo

Em dezembro, pouco antes da estreia do último filme lançando, O POVO entrevistou fãs da série; confira

Curiosidades intergaláticas

Você sabia que a atriz Carrie Fisher (Princesa Leia) foi impedida de usar sutiã na gravação da primeira trilogia? Veja lista de curiosidades

Por Lígia Costa

A saga Star Wars, criada pelo cineasta George Lucas, vem reunindo fãs por gerações, desde o lançamento do primeiro filme "Uma Nova Esperança”, em 1977.

A franquia estadunidense, a mais famosa do mundo, conta com sete filmes sobre a guerra entre o Lado de Luz e o Lado Sombrio no universo das estrelas.

Confira 10 curiosidades sobre a saga:

1 - A maior referência jedi que existe, Mestre Yoda teve suas feições, especialmente os olhos sábios, inspirados em Albert Einstein;

2 - O alienígena Jabba, o Hutt, chefe gangster com cara de lesma e sapo cururú, era controlado inicialmente por 10 fantoches;

3 - O cineasta George Lucas cogitou para "O Retorno de Jedi" um final no qual Luke, o herói principal da saga, se juntaria ao Lado Negro da Força;

4 - A atriz Carrie Fisher (Princesa Leia) foi impedida de usar sutiã na gravação da primeira trilogia. A justificativa do diretor era que na época referente ao filme não existiam roupas íntimas. A atriz teve os seios cobertos apenas por fita isolante;

5 - O som emitido por Chewbacca, amigo fiel de Han Solo e co-piloto da nave Millennium Falcon, é a combinação de vários sons emitidos por animais mamíferos grandes, como ursos;

6 - Há uma lenda que circula entre fãs da saga, que Jar Jar Binks, da raça dos Gungan, era o informante do Lado Negro da força. Embora estivesse sempre do lado bom, tudo acontecia quando Jar Jar estava por perto;

7 - O som típico emitido pelos sabres de luz foi criado a partir da mistura de sons produzidos por um projetor de filmes com o retorno captado pela aproximação de um fio desencapado com um aparelho de TV;

8 - Após participar do novo filme da saga, a atriz Carrie Fisher, atualmente com 59 anos, recebeu críticas sobre sua aparência. A eterna Princesa Leia se manifestou no Twitter, dizendo que tais comentários feriam seus sentimentos;

9 - Após a passagem dos créditos finais do filme "A Ameaça Fantasma" (1999) é possível ouvir a respiração de Darth Vader, jedi dominado pelo Lado Negro e pai do Luke;

10 - Os atores Anthony Daniels (o droide inteligente C3PO) e Kenny Baker (pequeno robô carismático R2D2) não suportaram bem o calor na Tunísia, local onde eram feitas as gravações. Mesmo com a injeção de ar frio em seus trajes, Daniels costumava desmaiar de calor.

Personagens

A Saga

Trilogia Original
Star Wars Episódio IV: Uma Nova Esperança (25 de maio de 1977)
Star Wars Episódio V: O Império Contra-Ataca (21 de maio de 1980)
Star War Episódio VI: O Retorno do Jedi (25 de maio de 1983)

Trilogia Prequela
Star Wars Episódio I: A Ameaça Fantasma (19 de maio de 1999)
Star Wars Episódio II: Ataque dos Clones (16 de maio de 2002)
Star Wars Episódio III: A Vingança dos Sith (19 de maio de 2005)

Trilogia Sequela
Star Wars Episódio VII: O Despertar da Força (17 de dezembro de 2015)
Star Wars Episódio VIII (15 de dezembro de 2017)
Star Wars Episódio IX (2019)

Antologias
Rogue One: A Star Wars Story (16 de dezembro de 2016)
Filme sobre Han Solo ainda sem nome (25 de maio de 2018)

Bastidores