PARA SALVAR A TEMPORADA

Por si só, a pressão pelo tão esperado acesso já seria elevada este ano, mas os maus resultados do clube conseguiram agravar ainda mais a situação

Leão sequer chegou a disputar a final do Campeonato Cearense. (Foto: Evilázio Bezerra / O Povo)

"O acesso é obrigação". A faixa com essa mensagem foi vista várias vezes este ano nas arquibancadas dos estádios onde o Fortaleza jogava. No Pici, em dia de treino aberto, também. E logo nos primeiros dias de trabalho da temporada 2017. A imposição é carregada da impaciência do torcedor pelos oito anos consecutivos na Série C do Campeonato Brasileiro.

Por si só, a pressão pelo tão esperado acesso já seria elevada este ano, mas os maus resultados do clube conseguiram agravar ainda mais a situação. Eliminado precocemente da Copa do Brasil e Copa do Nordeste, o Leão sequer chegou a disputar a final do Campeonato Cearense, o que implica em perda de vagas nas duas competições anteriores - para a Copa do Brasil, no entanto, há possibilidade de classificação via Taça Fares Lopes ou Ranking da CBF - para o ano que vem, quando o Fortaleza vai comemorar 100 anos de existência.

Retornar à Série B do Brasileiro seria o prêmio para "salvar" o centenário, além de garantir as boas cotas de transmissão que a televisão oferece, em meio a uma crise financeira que demandou intervenção financeira de conselheiros. Subir traria de volta ainda parte da autoestima tricolor, visivelmente balançada com a turbulência dos primeiros cinco meses deste ano.

Sem espaço para errar, como a própria diretoria diz, o clube terá pela frente a mesma fórmula de disputa que vem criticando nos últimos anos, com o nervoso "mata-mata" para decidir quem sobe de divisão. A missão segue inalterada, porém com mais obstáculos a serem superados.

Sem Jorge Mota, que prometeu por duas vezes o acesso e não alcançou, caberá a um novo presidente, ainda a ser eleito, quebrar a barreira das quartas de final.

Campeonato Brasileiro - Série C

Elenco do Fortaleza

Por enquanto, apenas o meia Adenilson e o atacante Hiago chegaram como reforços

Lúcio Flávio é esperança de gols no Leão. (Foto: Julio Caesar / O Povo)

Ao ser eliminado do Campeonato Cearense, o Fortaleza tinha apenas um alento: ter tempo suficiente para juntar os cacos, se reorganizar e entrar bem na Série C do Campeonato Brasileiro, foco principal do clube há oito anos e única competição que pode salvar a temporada do Leão.
 
Eram 25 dias até a estreia, contra o Remo, e o primeiro ponto era reformular o elenco, muito contestado após três eliminações consecutivas. A crise interna, no entanto, exigiu primeiro uma reforma na direção do clube. Presidente e vices renunciaram e um interino, junto com um Conselho Gestor, assumiram. A comissão técnica foi dissolvida e uma nova foi contratada. Tudo isso enquanto transcorre um processo eleitoral aparentemente tranquilo.

Em paralelo, porém, o elenco só viu o meia Adenilson e o atacante Hiago chegarem como reforços (o atacante Leandro Cearense está acertado com o clube, mas ainda não foi oficializado), além do retorno do meia Natan, que estava emprestado ao Oeste, enquanto perdeu cinco atletas, dois considerados titulares, como Zé Carlos e Rodrigo Andrade (Gabriel Silva, Esquerdinha e Gastón são os outros). Ao decorrer do campeonato, mais peças devem ser anunciadas, principalmente agora, com a chegada de Sérgio Papellin, novo executivo de futebol do clube.
 
Com uma nova política financeira, de pés no chão, a idéia aproveitar ao máximo o que o clube já tinha e contratar peças pontuais, que atendam a realidade do clube (técnica e financeira).

De fato, o elenco que começa a Série C não será tão diferente do que fracassou no Estadual, Copa do Brasil e Copa do Nordeste. As mudanças foram mais de comando, o que inspira um voto de confiança, mesmo que frágil.

Marcelo Boeck

  • Naturalidade: Vera Cruz/RS
  • Idade: 32 anos
  • Nascimento: 28/11/1984

Bruno Melo

  • Naturalidade: Paracuru/CE
  • Idade: 24 anos
  • Nascimento: 28/10/1992

Heitor

  • Naturalidade: Cládio/MG
  • Idade: 27 anos
  • Nascimento: 09/11/1989

Ligger

  • Naturalidade: Santo Amaro/BA
  • Idade: 29 anos
  • Nascimento: 18/05/1988

Felipe

  • Naturalidade: Maranguape/CE
  • Idade: 23 anos
  • Nascimento: 10/04/1994

Anderson Uchôa

  • Naturalidade: Aracajú/SE
  • Idade: 26 anos
  • Nascimento: 04/02/1991

Pablo

  • Naturalidade: São João Nepomuceno/MG
  • Idade: 27 anos
  • Nascimento: 03/08/1989

Everton

  • Naturalidade: Maranguape/CE
  • Idade: 32 anos
  • Nascimento: 08/08/1984

Adenilson

  • Naturalidade: Salvador/BA
  • Idade: 25 anos
  • Nascimento: 09/03/1992

Hiago

  • Naturalidade: Ariquemes/RO
  • Idade: 25 anos
  • Nascimento: 20/09/1991

Lúcio Flávio

  • Naturalidade: Sorocaba/SP
  • Idade: 30 anos
  • Nascimento: 29/08/1986

OS TIMES DA TERCEIRONA

Por Brenno Rebouças

GRUPO A

 

ASA-AL
Terceiro colocado no Campeonato Alagoano - vendendo caro a desclassificação nas semifinais para o CSA - o ASA também conseguiu ir longe na Copa do Brasil, sendo eliminado somente nos pênaltis, na terceira fase. Já apresentou quatro reforços para a Série C, nenhum, porém, de renome nacional. O técnico Maurílio Silva foi mantido à frente da equipe, que tem como destaque o atacante Leandro Kível, com 10 gols marcados, vice-artilheiro do Alagoano.

Time base: Carlão; Leanderson, Eron, André Lima e Léo Campos; Mazinho, Juninho, Djalma e Tiago Souza; Jean Carlos e Leandro Kível.
Técnico: Maurílio Silva
Destaque: Leandro Kível

Botafogo-PB
Campeão paraibano após dois anos de hiato, o Botafogo fez o artilheiro do certame, Rafael Oliveira - 17 gols, com mais um no Nordestão -, além de ostentar a melhor campanha e o melhor ataque da competição. Quando foi exigido em campeonato de nível mais elevado, porém, fracassou. Caiu logo no primeiro jogo da Copa do Brasil e foi o lanterna do grupo em que disputou a primeira fase da Copa do Nordeste. Nenhum reforço foi apresentado ainda. Itamar Schülle segue no comando técnico.

Time base: Michel Alves, Lito, Plínio, Bruno Maia e Jádson; Sapé, Val, Djavan e Marcinho; Fernandinho e Rafael Oliveira.
Técnico: Itamar Schülle
Destaque: Rafael Oliveira

CSA-AL
Com fracassos nas três primeiras competições do ano - eliminado na estreia da Copa do Brasil, lanterna em seu grupo da primeira fase da Copa do Nordeste e derrotado pelo CRB na decisão de seu estadual pelo segundo ano consecutivo - o CSA sofreu reformulação total para a Série C. Demitiu o técnico Oliveira Canindé e contratou Ney da Matta (campeão da Série C do ano passado, com o Boa Esporte), dispensou sete atletas e trouxe pacotão com 13 reforços, sendo o mais conhecido o volante Rosinei. O destaque do time é o volante Everton Heleno, que foi o artilheiro do Alagoano, com 11 gols.

Time base: Mota, Celsinho, Thales, Cristiano Fontes, Rafinha; Dawhan, Vagner, Marcos Antonio, Daniel Costa; Thiago Potiguar, Didira
Técnico: Ney da Matta
Destaque: Everton Heleno

Confiança-SE
Focado apenas no Campeonato Sergipano nos primeiros meses do ano, o Confiança conseguiu faturar o Estadual, porém, superando dificuldades. Sem as cotas de Copa do Brasil e Copa do Nordeste, contou com menos recursos e montou um elenco mais modesto. Além disso, precisou resolver problemas internos, com um presidente de apenas 25 anos de idade, que, aparentemente, deu certo. Para a Série C, trouxe apenas o atacante Léo Ceará, de 22 anos, por empréstimo do Vitória. É comandado por Leandro Sena e tem como destaque Tito, artilheiro e escolhido craque do Campeonato Sergipano.

Time base: Silvio, Felipe Cordeiro, Gabriel, Anderson, Pedrinho (Radar); Jardel, Everton Santos, Flávio, Rafael Vila; Tito, Álvaro
Técnico: Leandro Sena
Destaque: Tito

Cuiabá-MT
Campeão estadual, tendo chegado até a terceira fase da Copa do Brasil, o Cuiabá só não apresentou bom desempenho na Copa Verde, sendo eliminado logo na primeira fase, disputada em mata-mata. Apesar dos êxitos, precisou de disputa de pênaltis em muitas competições e, mais de uma vez, demonstrando ter um elenco competitivo, mas não tão forte. Perdeu seu executivo de futebol, Sérgio Papellin, para o Fortaleza. Entre os destaques do elenco está o goleiro Henal, que tem estilo polêmico, mas é identificado com a torcida do Dourado. Não fez nenhuma contratação para a Série C do Campeonato Brasileiro ainda.

Time base: Henal, Walber, Douglas Mendes, Heverton, Hinestrosa; Carlão, Jean, Dakson; Robinho, Cleberson Tiarinha, Juba
Técnico: Roberto Fonseca
Destaque: Henal

Moto Club-MA
Esperando a resolução de imbróglios no Campeonato Maranhense, competição da qual é finalista do segundo turno, o Moto Club teve um início de temporada com mais baixos que altos. Foi eliminado precocemente na Copa do Brasil e na Copa do Nordeste e no seu estadual só se recuperou no segundo turno. Trocou de técnico muitas vezes e o atual é Leston Júnior. De volta à Série C após doze anos, tudo o que não quer é uma queda de divisão. Fez poucas dispensas e poucas contratações. Toni Galego é o destaque.

Time base: Márcio Arantes; Tote, Michel, Laerte e Alex Cazumba; Diego Teles, Rafael Santos, Jerson e Válber; Toni Galego e Vinícius Paquetá.
Técnico: Leston Júnior
Destaque: Toni Galego

Remo-PA
Vendendo caro o título de campeão paraense ao maior rival, com direito a gol no fim da partida, mas com desempenhos ruins na Copa do Brasil e na Copa Verde, o Remo volta todo o foco para a Série C. A folha salarial contida no estadual deve crescer no Brasileiro e dez reforços já foram anunciados, todos apontados pelo técnico Josué Teixeira. Internamente, uma guerra declarada entre o meia Eduardo Ramos - que tenta desligamento do clube na Justiça - e o comandante azulino conturba o ambiente. O experiente Flamel, que ainda busca a melhor condição física, deve suprir a vaga de Eduardo Ramos e ser um dos pilares do grupo.

Time base: André Luiz, Léo Rosa, Henrique, Igor João, Tsunami; Zé Antonio, Gabriel Lima, Jeferson, Flamel; Jayme, Edgar
Técnico: Josué Teixeira
Destaque: Edgar

Salgueiro-PE
Eliminado logo de cara na Copa do Brasil, o Salgueiro se dedicou totalmente ao Campeonato Pernambucano e fez a melhor campanha da competição. Finalista, empatou a primeira partida da final por 1 a 1 com o Sport e como a segunda só acontecerá em junho, vai deixar o Pernambucano de lado por um momento e focar na Série C. Apesar dos contratos da maioria dos atletas chegarem ao fim neste mês, os dirigente do clube garantem manutenção do elenco e chegada de novas peças, ainda não anunciadas oficialmente. Com característica de manutenção de jogadores por muitos tempo, tem no entrosamento um ponto forte.

Time base: Mondragon, Marcos Tamandaré, Ranieri, Luís Eduardo, Daniel Nazaré; Rodolfo Potiguar, Moreilândia, Toty, Valdecir; Álvaro, William Lira
Técnico: Evandro Guimarães
Destaque: Rodolfo Potiguar

Sampaio Corrêa
Com ação impetrada no STJD, referente ao Campeonato Maranhense, boa participação na Copa do Brasil, chegando à terceira fase, mas atuação ruim na Copa do Nordeste, o Sampaio Corrêa começa a Série C com um pacotão de sete reforços, dentre eles conhecidos do futebol cearense, como Zé Aquiraz e Fernando Sobral. O técnico é Francisco Diá, rodada por clubes do Nordeste. O destaque é Pimentinha, que retornou ao clube, após empréstimo para o Criciúma.

Time base: Alex Alves; Roniery, Alex, Maracás e Esquerdinha; Valderrama, Diego Silva, Fernando Sobral, Marlos, Pimentinha; Célio Holanda
Técnico: Francisco Diá
Destaque: Pimentinha

 

GRUPO B

Botafogo-SP

Com boa campanha no Campeonato Paulista, chegando às quartas-de-final, o Botafogo de Ribeirão Preto teve baixas em seu elenco devido a eleição para escolha do novo presidente, que acabou postergando algumas renovações e ocasionando saída de alguns atletas, até mesmo do técnico Moacir Júnior. A base da equipe, no entanto, foi mantida. Para o comando técnico, a diretoria escolheu um nome oriundo da base do clube, Rodrigo Fonseca. Entre os reforços, nomes experientes, como o do zagueiro Gladstone, campeão com o Guarani-SP e promessas, como os jovens Mário Sérgio, vindo do Bahia e Gabriel Henrique, vindo do Cruzeiro. Parado desde o começo de abril, foca no preparo físico.

Bragantino-SP

Empolgado com o retorno à divisão principal do Campeonato Paulista, tendo sido vice-campeão da Série A2, o Bragantino manteve 80% do elenco que disputou o Estadual e também a comissão técnica, encabeçada por Alberto Félix. Esperando por alguns reforços pontuais, o grupo tem como destaque o atacante Rafael Grampola, que fica no Massa Bruta por pelo menos sete rodadas, já que seu contrato se encerra no fim de junho, mas a intenção do clube é de estender o vínculo. Retornando à Série C após dez anos, o time se apega também à recordação da última vez em que lá esteve, em 2007, quando foi campeão da competição.

Joinville-SC

Com recuperação durante o Campeonato Catarinense - péssimo primeiro turno, mas terceiro colocado no segundo - e eliminado apenas na quarta fase da Copa do Brasil - e nos pênaltis - O Joinville vai aproveitar a base do elenco e já anunciou pacote de contratações. Dentre os reforços, nomes de pouca expressividade, mas que chamaram atenção nos estaduais pelo Brasil, como Chaveirinho, Thiago Alagoano e Everton Junior. O técnico, Fabinho Santos, oriundo da base, terá a missão de reerguer o clube a uma divisão de mais destaque, já que nos últimos cinco anos o tricolor transita pelas Séries A e B. O destaque é o lateral Caíque.

Macaé-RJ

Após um péssimo Campeonato Carioca, competição na qual conseguiu marcar apenas dois pontos, o Macaé decidiu desfazer praticamente toda a equipe e manteve apenas três atletas que disputaram o Estadual. Buscou reforços no interior paulista e carioca, além de o atacante destaque do Espírito Santo, Rael. Trouxe de volta também o experiente goleiro Luís Henrique, de 37 anos. O volante Fabrício Baiano, vindo do Coritiba, destaque do Macaé em 2016, também retornou Antônio Carlos Roy é o técnico escolhido para a Série C.

Mogi Mirim-SP

Rebaixado da Série A2 do Paulista e em crise financeira, o Mogi Mirim vive dias de incerteza. O contrato da grande maioria dos atletas que disputou o Estadual termina agora em maio e a solução pode ser uma parceria com o Audax-SP, que está sendo costurada. O time treina e jogará em Osasco, o que aponta para a concretização da parceria. Enquanto não há confirmação oficial, Mário Júnior fica como treinador interino - mas Fernando Diniz pode assumir. A luta pela permanência é essencial ao Sapo, que vem acumulando rebaixamentos nos últimos anos.

São Bento-SP

Com elenco modesto e enxuto, de apenas 22 atletas, o São Bento planeja chegar o mais longe possível na Série C. O volante, capitão e destaque da equipe, Marcelo Cordeiro, acredita tanto nisso que recusou propostas e decidiu ficar no time do interior paulista. Um pacote de reforços foi anunciado, com nomes como o do atacante Ortigoza (ex-Mogi Mirim) e o lateral Muriel (ex-Resende). O retorno do atacante Anderson Cavalo também foi comemorado. O técnico é Roberto Santos.

Tombense-MG

A sétima colocação no Campeonato Mineiro parece ter agradado o Tombense, que manteve a espinha dorsal do elenco para a Série C. Buscou reforços principalmente para o sistema defensivo, como os laterais Dieyson, revelado no Vasco e Marrone, revelado no Avaí. Trouxe também o destaque do Vila Nova no Campeonato Goiano, o meia Everton. O técnico Raul Cabral já fez duas partidas preparatórias para a Série C e venceu as duas, mas ainda se preocupa com o entrosamento do grupo.

Tupi-MG

Oitavo colocado no Campeonato Mineiro, safando-se do rebaixamento, o Galo Carijó passou por reformulações no elenco. Tem como ponto forte o setor de contenção, com a dupla Marcel e Leandro Ferreira. O técnico Ailton Ferraz tem o controle e respeito do grupo, já que chegou em um momento delicado e conseguiu tirar o time de uma situação de degola. O grupo teve baixas antes do início da Série C, com as saídas do atacante Flávio Carvalho, que chegou como reforço, e a perda do lateral direito Johnathan, que se lesionou e será desfalque por 45 dias, mas aguarda retorno de atletas importantes como Edmário e Hélder.

Volta Redonda-RJ

Empolgado com o título invicto da Série D do ano passado, o Voltaço quer repetir a dose, mas prega cautela. A equipe, treinada pelo técnico Felipe Surian, manteve boa parte da base do Campeonato Carioca, competição na qual foi finalista do quadrangular extra da Taça Guanabara e chegou à semifinal do quadrangular extra da Taça Rio, e trouxe alguns reforços pontuais, sendo dois que estiveram no acesso do ano passado, como o atacante Dija Baiano e o zagueiro Daniel Felipe. Com um calendário de preparação, incluindo vários amistosos, a esperança de gols é Adriano, ex-Nova Iguaçu, vice-artilheiro do Campeonato Carioca.

Ypiranga-RS

Eliminado na primeira fase da Copa do Brasil e rebaixado no Campeonato Gaúcho, o Ypiranga fez uma reformulação profunda no elenco. Dispensou 14 atletas e fez até agora nove contratações. Nenhum nome dentre os reforços desponta. O que mais chama atenção é o atacante William Koslowski, que disputou o Gauchão pelo Cruzeiro, segundo colocado na primeira fase do certame. O técnico é Guilherme Macuglia. 

A bola da vez no Tricolor

Moderno ou não, Bonamigo terá a difícil missão de não deixar toda a carga emocional de oito anos na Série C atingir o trabalho agora

Apesar de Dado Cavalcanti ter sido cogitado, Paulo Bonamigo, campeão cearense em 2007, teve a preferência. (Foto: Mariana Parente / O Povo)

O perfil de “técnico estudioso”, tão celebrado no Pici nas últimas temporadas, com Marcelo Chamusca, Hemerson Maria e Marquinhos Santos, sai um pouco de foco. Em busca de retomar o caminho do bom futebol e consequentemente galgar bons resultados, a memória prevaleceu. Apesar de Dado Cavalcanti, que se encaixava no perfil anterior, ter sido cogitado, Paulo Bonamigo, campeão cearense em 2007, teve a preferência.

É difícil qualificar o estilo do novo comandante, principalmente porque nos últimos seis anos ele esteve atuando nos Emirados Árabes, longe dos holofotes. A justificativa pelo retorno, então, está mesmo no passado não tão distante de dez anos atrás, quando Marcelo Desidério, hoje interino no comando do clube por ser presidente do Conselho Deliberativo, era o mandatário do Leão.

Há um ano parado e fora do mercado brasileiro, Bonamigo alegou que de maio do ano passado para cá acompanhou muitos campeonatos na TV para ficar a par do futebol praticado hoje no Brasil, mas fez questão de dizer que para atuar no futebol árabe é necessário atualização constante,  e que disputou com técnicos de diferentes escolas por lá (italiana, espanhola, argentina etc).

Moderno ou não, Bonamigo terá a difícil missão de não deixar toda a carga emocional de oito anos na Série C atingir o trabalho agora. Agregador, como o qualifica a nova diretoria, pediu a reintegração de algumas peças que já poderiam ter deixado o Pici e parece ter conseguido acalmar, pelo menos momentaneamente, o elenco, que vivia a tensão de uma lista de dispensas.

Com a torcida ao lado neste primeiro momento, precisa corresponder rápido com resultados em campo, pois o torcedor tricolor se acostumou a ver um Fortaleza arrasador ao longo das 18 rodadas da fase de grupos da Série C e um rompimento com esse padrão poderia assustar e causar instabilidade.

PALPITES DOS REPÓRTERES O POVO

André Almeida

André Almeida

Campeão: Joinville Quem sobe: Remo, Joinville, Salgueiro e Botafogo-SP Quem cai: Moto Club, Sampaio Corrêa, São Bento e Tombense Artilheiro: Lúcio Flávio, Fortaleza Time surpresa: Cuiabá

Buno Balacó

Buno Balacó

Campeão: Botafogo-PB Quem sobe: Botafogo-PB, Fortaleza, Salgueiro e Botafogo-SP Quem cai: Cuiabá, Moto Club, Ypiranga e São Bento Artilheiro: Lúcio Flávio (Fortaleza) Time surpresa: Salgueiro

 Erick Bruno

Erick Bruno

Campeão: Botafogo-SP Quem sobe: Volta Redonda, Fortaleza, Botafogo-SP e ASA Quem cai: Sampaio Corrêa, Moto Club, São Bento e Tombense Artilheiro: Edno (Remo) Time surpresa: ASA

Brenno Rebouças

Brenno Rebouças

Campeão: Bragantino-SP Quem sobe: ASA-AL, Fortaleza (ou Salgueiro), Botafogo-SP, Bragantino-SP Quem cai: Sampaio Corrêa-MA, Confiança-SE, Macaé-RJ, Ypiranga-RS Artilheiro: Lúcio Flávio (Fortaleza) Time Surpresa: Volta Redonda-RJ

Acesse o site Adoro Futebol

Acompanhe a tabela de classificação e lista de jogos do Campeonato Brasileiro Série C